Qual a melhor roupa para trabalhar nesse verão?

Sabemos que é muito complicado escolher a roupa certa para trabalhar diariamente, ainda mais nesse calor. Quando a empresa não fornece um uniforme, cabe a nós mesmo saber escolher delicadamente qual a melhor roupa para trabalhar.
Geralmente para homens é mais simples escolher a roupa. O ideal é usar uma camiseta básica ou polo (como sugerem algumas empresas) e uma calça jeans ou social. Mas ainda existem empresas que exigem de muita formalidade para ocasião, exemplos são os que devem usar diariamente terno e gravata. Nesse caso, uma dica interessante é trocar de roupa apenas no serviço, ou seja, vá de calça social e uma camiseta básica, e no local você troca pelo seu terno e camisa social, assim você evitar chegar transpirando muito.
Para as mulheres, existem algumas restrições extras. É importantíssimo lembrar que o ambiente de trabalho não é uma festa, então nada de saias, shorts ou vestidos curtos, e as blusas não devem mostrar a barriga ou estar com decote. Busque peças chaves no guarda roupa, como as cores de preto ou branco (ou diversas outras cores neutras). Muitas pessoas ainda tem dúvida se realmente os vestidos ou regatas podem ou não serem usadas. Tudo depende da política da empresa, por isso, antes de se vestir assim, observe as pessoas com quem trabalha. É interessante também que a mulher sempre ande preparada com um blazer ou casaco básico para caso tenha uma reunião ou outro compromisso de urgência, causando até a impressão de maior formalidade.
Além de tudo isso, é indispensável que ambos nunca deixem de lado um kit de higiene que contenham um bom desodorante e até uma toalhinha caso tenha a necessidade.

Para aqueles que tem uniforme, façam o bom uso e preservem a roupa, pois ela economiza diversas peças do seu guarda roupa.

PROGRAMA VERDE AMARELO, JOVEM APRENDIZ OU ESTAGIÁRIO. QUAL O MELHOR MODELO DE CONTRATAÇÃO?

Foi lançado na última semana pelo governo, o Programa Verde e Amarelo, que visa trazer maiores oportunidades de emprego para jovens. A medida pretende criar cerca de 4 milhões de empregos e tem foco entre jovens de 18 a 29 anos que ainda não conseguiram seu primeiro registro em carteira.

E quem ganha com isso? As empresas e os jovens.

Hoje os principais modelos de contratação para jovens são o Jovem Aprendiz e os estagiários. Acontece que para contratar um Jovem Aprendiz, obrigatoriamente você precisará contar com outra empresa que ofereça esta opção, e com isso envolvem também os custos, que geralmente são mais altos.

Quando falamos de estagiários, ainda que exista a opção de a própria empresa realizar a administração desses contratos, devido às diversas observações da lei e os baixos custos associados ao programa, acaba por compensar a contratação de um agente de integração para evitar correr riscos jurídicos por descumprimento de algum trecho da lei.

O Programa Verde e Amarelo simplifica a contratação de jovens e tira a obrigatoriedade de ter que contratar outra empresa, com isso reduzindo custos envolvidos.

Vale ressaltar porém, que tanto a contratação pelo modelo Jovem Aprendiz, como do Programa Verde e Amarelo, envolvem registro em carteira e o cumprimento de certas obrigações, ainda que diferenciadas do registro em CLT com todos os direitos.

A única opção que não tem vínculo empregatício, conforme estipulado pela própria lei (desde que cumpridas as exigências), são os estagiários.

Cabe a cada empresa avaliar qual o melhor modelo de contratação para si, seus custos e qual a participação pretende ter na sociedade, mas uma coisa é fato: Estão sendo dados incentivos para que os jovens do nosso país possam ingressar no mercado de trabalho.

Contribuição: Hilder Murilo